Saturday, February 03, 2007

E O espetáculo da humanidade vai chegando ao final... será?

Nessa sexta-feira, 02, foi divulgado um relatório da ONU com relação ao aquecimento global, efeito estufa e assuntos relacionados.

O resultado desse relatório é algo no mínimo desesperançoso para a humanidade: daqui a cem anos, o mundo como conhecemos, praticamente não existirá.

Dentre outras conclusões feitas por uma comissão com mais de 2.000 cientistas do mundo todo, foi detectado que até o ano de 2.100 a temperatura média da Terra subirá entre 2 e 4 Graus, podendo chegar até um aumento de 6 graus na temperatura média da Terra (ou seja, se você acha quente um Versão com média de temperatura a 29 Graus, assim como eu, é bom saber que daqui há alguns anos, outras gerações terão de conviver com temperaturas médias de até 35 graus - isso em um dia não muito quente!). Também foi mostrado ao mundo que até 2.050, no verão, não haverão mais geleiras no Pólo Sul, e que até 2.100, dependendo da temperatura terrestre, ele deixará de existir por completo.

E como conseqüência disso, estima-se também que os oceanos subirão 59 centímetros, o que fará com que muitas cidades, e mesmo ilhas e nações desapareçam do mapa.

Estima-se também que mais de 2 bilhões de pessoas (cerca de 1/3 da população mundial) sofrerão com a falta de água no mundo.

E também a fauna e a flora mundial sofrerão com essas mudanças no clima: com um aumento de 1 grau na temperatura dos oceanos, milhares de corais simplesmente desaparecerão, assim como outras espécies de animais marinhos; mas não é só na água que haverá a extinção de espécies, pois foi previsto que muitos animais não suportarão o aumento da temperatura.

E há, nisso tudo, uma parcela de culpa de nós, brasileiros: embora o Brasil emita uma taxa de CO2 quatro vezes menor do que os EUA e do que a China, a sua maior culpa é pela omissão com relação ao desmatamento que ocorre na floresta Amazônica. Só para se ter uma idéia do tamanho do desmatamento, cerca de 17% do total da área da Floresta Amazônica já foi desmatada de forma ilegal. E como conseqüência do aquecimento global, os estudos indicam que provavelmente a Amazônia também não resistirá ao aumento de temperatura, e se tornará uma área de cerrado, como é o estado de Goiás hoje em dia.

Aumentarão as tempestades, os tornados aumentarão a intensidade, ocorrerão tufões e furacões com mais freqüência no Brasil, as secas se prolongarão por mais tempo...

A lista de problemas que a humanidade terá de enfrentar não para por aí.

Pode parecer algo pessimista, mas é apenas a realidade: se algo não for feito imediatamente, a raça humana esta fadada a desaparecer da Terra. Mesmo que algo comece a ser feito hoje, como por exemplo uma paralisação da emissão de gases que aumentam o efeito estufa, os efeitos de todo o aquecimento Global ainda perdurarão por milhares de anos.

Após tanto destruir outras formas de vida, o ser humano se vê diante de uma situação que ele mesmo causou, e que parece não haverem muitas saídas: será que toda a nossa tecnologia, que nos ajudou e muito a chegar onde estamos, conseguirá nos livrar desse fim? Será que toda a tecnologia, que muitos fizeram questão de substituir erroneamente pela vida e pela natureza, conseguirá fazer com que não as percamos definitivamente? Será que a revolução industrial, que transformou o homem em uma máquina sentimental, conseguirá fazer do homem uma máquina biológica, para sobreviver ao novo mundo que nós deixaremos para as futuras gerações??

Agora... adianta se arrepender de algo? Será que agora vão ver que a vida não pode ser feita em linhas de montagem?

Sobre o Clima...

Ultimamente, temos ouvido, visto e sentido muitas coisas sobre o clima...

Por isso, postarei hoje dois textos meus com relação a isso.

O primeiro, foi escrito por mim na primeira semana de janeiro. E o Outro, hoje.

Obrigado.


______________________________________________________________


A loucura climática: não há mais volta

Ultimamente temos acompanhado a loucura climática que já vitimou, apenas na região sudeste do Brasil, mais de 40 pessoas desde o inicio do ano. Mas... seria mesmo o tempo quem enlouqueceu?

Entra ano e sai ano, e em todo novo verão que chega, chegam também as famosas "chuvas de verão". Mas, durante a época em que não existem tantas chuvas, porque é que não são tomadas ações efetivas contra, por exemplo, a construção de casas em locais irregulares? Nós vemos casas que desmoronam por serem construídas em encostas onde seria impossível de se imaginar uma pessoa vivendo. Mas então, a culpa vem de outras pessoas, que são quem deveriam fornecer moradias decentes para a população, mas que não o fazem, pois se ocupam muito em discutir o próprio aumento salarial de 91%. Vejamos o exemplo de Cuba, onde todos os cidadão tem uma casa para morar: casa esta que custa, em média, 7.000 pesos cubanos, o que em Reais, seriam aproximadamente R$700,00, que além de tudo, são financiados pelo governo.
Depois, ainda temos a questão do desmatamento desenfreado que contribui, e muito, para desmoronamentos de encostas e afins. O que é feito no Brasil para combater o desmatamento?
Acho que o tamanho das taxas sobre o material legal (no caso, madeira) não é algo animador, o que acaba levando pessoas a conseguirem madeira de uma forma, digamos, "mais barata".
Que tal multas pesadas para quem derrubar arvores, sejam em perímetros urbanos, ou em rurais? Que tal botar esse pessoal por um bom tempo na cadeia? Que tal incentivos fiscais, como redução de taxas, para a produção de madeira legalizada, com um posterior reflorestamento?

Mas, quando falo em reflorestamento, não falo em "Desertos Verdes" (monocultura de eucalipto, que é mais prejudicial do que benéfica, visto que UMA arvore de eucalipto consome por ano mais de 3 mil litros de água, e dificulta/impede o crescimento de outras espécies; ou seja, monocultura não é reflorestamento, pois floresta é sinônimo de biodiversidade!) como fazem a ARACRUZ CELULOSE e suas amiguinhas da celulose.

E para ajudar, ainda temos o "El Niño", que é, simplificando, é um fenômeno climático que causa o aumento das temperaturas do Oceano Pacifico que causa, além da diminuição da produtividade dos peixes, alterações no clima: chuvas excessivas na América do Sul, calor acima da média no inverno dos estados do interior dos EUA, e secas na Indonésia e Austrália. O "El Niño" recebeu esse nome por se iniciar no final do ano, o que é uma referencia ao menino Jesus: por isso do nome, que em espanhol significa "o menino".

O "EL Niño" é agravado pelo aquecimento global, que é causado pelo aumento no buraco da camada de ozônio que faz com que a Terra receba e retenha mais calor, ao invés de devolve-lo. Ou seja, a camada de Ozônio seria o protetor solar da Terra. Mas o aumento excessivo na emissão de CO2 (Gás Carbônico) provenientes de fábricas, automóveis à base de combustíveis fósseis (gasolina) e gases CFC (Cloro Flúor Carbono), que são encontrados em spray's e em geladeiras, por exemplo. Vale lembrar que nós, seres humanos, produzimos CO2. Mas vale lembrar também que o CO2 é absorvido pelas plantas, ou seja, o CO2 produzido pela humanidade não é o motivo do aumento do buraco na camada de Ozônio (que hoje encontra-se sobre a Antártida).

E ainda para contribuir com tudo isso, o país do carniceiro George W. Bush, os EUA, fizeram questão de não assinar ao Tratado de Kyoto, que é uma das poucas ações efetivas nessa área. O Tratado de Kyoto era um documento, um tratado, que visava a diminuição da emissão de gases poluentes para um prazo de 10 anos. Mas a terra do Tio Sam fez questão de não assinar. E a China também. Ambos alegaram que isso iria diminuir a produção deles, causando fortes impactos econômicos nos mesmos. Não que eles sejam os únicos culpados, mas os EUA emitem um terço de toda a poluição do mundo. E a China é um dos maiores poluentes do mundo.

Enfim: e nós, que não temos muito a ver com isso tudo é que pagamos o pato, com tornados (em 2005 houve um TORNADO aqui em Indaiatuba! E eu vi! É o fim dos tempos...), com chuvas torrenciais, com secas, com furacões (os próprios EUA viram o que a sua negligencia é capaz: o Katrina os disse bem de pertinho). Estamos acompanhando tudo isso de perto (para quem mora nas regiões onde chove sem parar desde o ano passado, como eu), completamente pasmos e sem reação.

Mas... sabem o que é o mais triste de tudo isso? É saber que por mais que nós nos esforcemos, e consigamos elimina toda a produção de gases poluentes do mundo, nossa situação nunca melhorará: no máximo, continuaremos na mesma situação caótica que já estamos. Porém, para quem pensa que "então de que vale a pena lutar?" vale a pena ressaltar que caso tudo continue como está, daqui a 100 anos, mais de um terço da população mundial terá problemas com o abastecimento de água; a temperatura média aumentará mais de 2º Celsius, o que ocasionaria o derretimento das geleiras, aumentando o nível do mar no mundo todo em pelo menos 7 metros de altura, eliminando do mapa várias cidades (e países!). Devemos fazer nossa parte, e alertar as autoridades do caos para o qual estamos indo.

É como disseram: Quando a natureza acabar, aí o ser humano vai entender que não se come dinheiro!

Para mais informações, assistam o documentário produzido pelo "Greenpeace" chamado: Mudanças no Clima, mudanças de vida. O DVD está a venda no site abaixo, e também pode ser visto no Youtube.

Acessem: http://www.greenpeace.org.br/clima

Saturday, December 16, 2006

Aracruz Celulose e o Deserto Verde

"Deserto Verde" foi uma expressão criada para designar as areas onde existe a monocultura de eucalipto, pois, mesmo sendo muitas vezes esse plantio hamado de "reflorestamento", não podemos considerar aquilo como sendo tal, pois não está sendo replantada uma floresta, onde existem várias espécies de arvores e plantas, onde haja uma biodiversidade.

Os Desertos verdes são muito prejudiciais para a biodiversidade, especialmente pelo fato dos eucaliptos serem considerados também as "arvores da sede", uma vez que um eucalipto com 15 metros de altura é capaz de absorver cerca de 3,5 mil litros de agua em apenas um ano. Esse número é três vezes maior do que a média de chuva nos pampas gaúchos. Ou seja: o eucalipto vai acabar retirando a agua de alguma outra arvore.

A "Aracruz Celulose" é uma empresa que só no ano de 2004 produziu 2,4 milhões de toneladas, e com isso, é considerada a maior empresa produtora desse tipo de celulose (uma celulose de fibra curta de alta qualidade, utilizada para produzir papel para imprimir e escrever) no mundo todo. Porém, convém lembrar também, que 97% desse total de produção, se destinou à exportação para mercados internacionais.

No Brasil, a Aracruz Celulose conta com fábricas em três estados: Bahia, Rio Grande do Sul, e Espirito Santo. Ao todo, a Aracruz Celulose é dona de 375 mil hectares de terra nesses três estados.

Com relação ao suposto "reflorestamento", são produzidas cerca de 10 milhões mudas de eucalipto por ano pela Aracruz.

Porém, todos esses supostos recordes dependem de apoio do governo, o qual, através do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) tinha um débito com relação a Aracruz de R$ 904 milhões em 2005, com juros de 11,8% ano ano. Ou seja, hoje, caso a divida não tenha sido paga, encontra-se acima de R$ 1 bilhão.

Muito embora a Aracruz pareça ser uma empresa "boazinha", ela não é: divulga empregar 4 pessoas por hectare de eucalipto plantado, o que daria um total de 988 mil empregos diretos, em 2004, quando a empresa cultivava eucaliptos em 247 mil hectares. Porém, segundo o estudo "Promessas de emprego e destruição do trabalho" realizado por diversos ambientalistas e sindicalistas, esse número não passaria de 1.031 empregados.

Isso acontece pois o custo por posto de trabalho na Aracruz é muito alto. Na fábrica C, inaugurada em 2002 no município de Barra do Riacho (ES), foram investidos 575 milhões de dólares resultando na abertura de 173 empregos. Ou seja, são 3,324 milhões de dólares (ou R$ 6,939 milhões) para gerar cada posto de trabalho. Sendo assim, toda a dívida que a Aracruz tem com o BNDES, R$ 904 milhões significa 130 empregos. Para cada vaga de catador de material reciclável, o investimento seria de R$ 3.094.

Considerando a geração de emprego por extensão de terra, a monocultura do eucalipto também se mostra improdutiva. A Aracruz gera um posto de trabalho por cada 122 hectares. Na monocultura do café, é um emprego para cada hectare. Já na agricultura camponesa, cada hectare emprega até cinco pessoas.

Com relação à geração de renda, o dado também é desanimador. Em média, os trabalhadores da monocultura de eucalipto recebem entre um e um e meio salário mínimo (R$ 350). Os cafeicultores e pequenos camponeses conseguem ter rendimentos de em média R$ 1 mil.

Além disso tudo, a Aracruz Celulose também prejudica as populações indigenas das regiões de suas fábricas, com seus produtos quimicos (um dos venenos utilizados pela Aracruz nas plantações de eucalipto é o Tordon 2 que, além de ilegal, por ser comprovadamente cancerígeno e causador de doenças genéticas, não é indicado para esse tipo de cultura), com suas desapropriações arbitrárias e suas mentiras (promessas de politicas culturais e educacionais visadas às populações locais, que nada recebem).

E ela ainda posa para fotos como sendo "amiga da natureza", e aquela que "ajuda o Brasil a se desenvovler", recebendo apoio de "personalidades" brasileiras, como Pelé, Daiane dos Santos...

Mais informações sobre a Aracruz Celulose e o Deserto Verde em:http://www.brasildefato.com.br/brasildefato/v01/agencia/especiais/desertoverde

"Deserto Verde" foi uma expressão criada para designar as areas onde existe a monocultura de eucalipto, pois, mesmo sendo muitas vezes esse plantio hamado de "reflorestamento", não podemos considerar aquilo como sendo tal, pois não está sendo replantada uma floresta, onde existem várias espécies de arvores e plantas, onde haja uma biodiversidade.

Os Desertos verdes são muito prejudiciais para a biodiversidade, especialmente pelo fato dos eucaliptos serem considerados também as "arvores da sede", uma vez que um eucalipto com 15 metros de altura é capaz de absorver cerca de 3,5 mil litros de agua em apenas um ano. Esse número é três vezes maior do que a média de chuva nos pampas gaúchos. Ou seja: o eucalipto vai acabar retirando a agua de alguma outra arvore.

A "Aracruz Celulose" é uma empresa que só no ano de 2004 produziu 2,4 milhões de toneladas, e com isso, é considerada a maior empresa produtora desse tipo de celulose (uma celulose de fibra curta de alta qualidade, utilizada para produzir papel para imprimir e escrever) no mundo todo. Porém, convém lembrar também, que 97% desse total de produção, se destinou à exportação para mercados internacionais.

No Brasil, a Aracruz Celulose conta com fábricas em três estados: Bahia, Rio Grande do Sul, e Espirito Santo. Ao todo, a Aracruz Celulose é dona de 375 mil hectares de terra nesses três estados.

Com relação ao suposto "reflorestamento", são produzidas cerca de 10 milhões mudas de eucalipto por ano pela Aracruz.

Porém, todos esses supostos recordes dependem de apoio do governo, o qual, através do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) tinha um débito com relação a Aracruz de R$ 904 milhões em 2005, com juros de 11,8% ano ano. Ou seja, hoje, caso a divida não tenha sido paga, encontra-se acima de R$ 1 bilhão.

Muito embora a Aracruz pareça ser uma empresa "boazinha", ela não é: divulga empregar 4 pessoas por hectare de eucalipto plantado, o que daria um total de 988 mil empregos diretos, em 2004, quando a empresa cultivava eucaliptos em 247 mil hectares. Porém, segundo o estudo "Promessas de emprego e destruição do trabalho" realizado por diversos ambientalistas e sindicalistas, esse número não passaria de 1.031 empregados.

Isso acontece pois o custo por posto de trabalho na Aracruz é muito alto. Na fábrica C, inaugurada em 2002 no município de Barra do Riacho (ES), foram investidos 575 milhões de dólares resultando na abertura de 173 empregos. Ou seja, são 3,324 milhões de dólares (ou R$ 6,939 milhões) para gerar cada posto de trabalho. Sendo assim, toda a dívida que a Aracruz tem com o BNDES, R$ 904 milhões significa 130 empregos. Para cada vaga de catador de material reciclável, o investimento seria de R$ 3.094.

Considerando a geração de emprego por extensão de terra, a monocultura do eucalipto também se mostra improdutiva. A Aracruz gera um posto de trabalho por cada 122 hectares. Na monocultura do café, é um emprego para cada hectare. Já na agricultura camponesa, cada hectare emprega até cinco pessoas.

Com relação à geração de renda, o dado também é desanimador. Em média, os trabalhadores da monocultura de eucalipto recebem entre um e um e meio salário mínimo (R$ 350). Os cafeicultores e pequenos camponeses conseguem ter rendimentos de em média R$ 1 mil.

Além disso tudo, a Aracruz Celulose também prejudica as populações indigenas das regiões de suas fábricas, com seus produtos quimicos (um dos venenos utilizados pela Aracruz nas plantações de eucalipto é o Tordon 2 que, além de ilegal, por ser comprovadamente cancerígeno e causador de doenças genéticas, não é indicado para esse tipo de cultura), com suas desapropriações arbitrárias e suas mentiras (promessas de politicas culturais e educacionais visadas às populações locais, que nada recebem).

E ela ainda posa para fotos como sendo "amiga da natureza", e aquela que "ajuda o Brasil a se desenvovler", recebendo apoio de "personalidades" brasileiras, como Pelé, Daiane dos Santos...

Mais informações sobre a Aracruz Celulose e o Deserto Verde em:http://www.brasildefato.com.br/brasildefato/v01/agencia/especiais/desertoverde

Saturday, December 02, 2006

Qual a diferença entre o México e o Brasil?

Alguém pode me dizer o que há no México, que não há no Brasil?

Bom, são dois paises latino-americanos, explorados na sua colonização por europeus que não tinham mais o que fazer, senão assassinar, roubar, queimar, destruir, empobrecer, explorar...

Como consequencia disso, embora tenham recursos naturais para reverter a situação, os dois países são muito pobres, e se encontram dentro do "terceiro mundo". E também, como consequencia da má distribuição de renda, sofrem com a desigualdade social, que culmina na violência, e outros problemas sociais.

Ambos são controlados meticulosamente pelos EUA, que mantém um olho neles, e outro no peixe. Ou seriam eles dois os peixes?

Mas, então, o que há no México que motiva seu povo a se revoltar contra as injustiças que sofre, e que não motiva o brasileiro da mesma forma?

Citarei aqui três movimentos sociais que ocorreram/ocorrem no México, que deveriam servir de exemplo para os brasileiros, mas que a midia parcial e suja do Brasil faz questão de não expor, e quando o faz, faz de uma forma totalmente distorcida e parcial:

1) EZLN (Exército Zapatista da Libertação Nacional) - O EZLN é um exército que surgiu no Estado de Chiapas, que em 1º de Janeiro de 1994 tomou para si, e para o povo, o controle do estado de Chiapas, ao sul do México. O EZLN tem como "chefe" e lenda, idolatrado pela população, a qual criou todo um mistério acerca da pessoa dele, é o Subcomandante Marcos, cuja identidade verdadeira é desconhecida, e cuja imagem é a de uma pessoa com o rosto coberto, e um cachimbo na boca. Segundo Marcos, a intenção do EZLN é fazer uma proposta diferente de governo, onde o povo e a sociedade é que seriam os verdadeiros governantes, embora ele próprio diga que não gosta de seguir dogmas e paradigmas (como comunismo, leninismo, trotskismo...). ATé hoje o estado de Chiapas sofre ataques do governo mexicano, e vive em constante guerra, onde o governo, para justificar os massacres covardes, diz "querer tazer de volta a democracia". Mas... não seria isso a democracia (governo do povo, em grego) de verdade?

2) Agora em 2006, na cidade de San Salvador de Atenco, no próprio México, houve também uma revolta popular. O governo federal (do agora ex-presidente Vicent Fox) decidiu expropriar a terra comunais de Atenco (todo o povo da cidade plantava na mesma terra, onde todos dividiam entre si os frutos) para a suposta construção de um aeroporto. Mas é claro que o povo não aceitou isso. Resolveram proteger o que era seu de direito, e a resposta covarde do governo foi a de enviar para lá mais de 3000 homens do exército, para enfrentar com balas a tanques de guerra, um povoado pequeno, armado de pedaços de pau. Como resultado, duas pessoas inocentes morreram, e centenas foram presas (injusta e arbitrariamente), torturadas e violentadas, além das mulheres dos camponeses terem sido, segundo muitas delas relataram, estupradas e abusadas pelos soldados. Vez ou outra vemos algo igual no Brasil, mas... muitas vezes, a indgnação fica só na conversa no boteco: "viu só, eles estão tirando nossas terras... como isso me dá raiva... agora vou ver o jogo da seleção."

E, finalmente, por favor, leiam:

3) Na cidade de Oaxaca, capital do estado de mesmo nome (ao sul do méxico, e vizinha do estado de Chiapas), no dia 22 de Maio deste ano, os professores foram às ruas para protestar por um aumento salarial para a classe (cujo salario é dos menores do país). Essa marcha conseguiu mobilizar cerca de 70 mil pessoas que protestavam tamb';em contra o governador de Oaxaca, Ulises Ruiz, que decidiu responde aquela PACIFICA manifestação com violencia, o que gerou a indgnação de todo o estado de Oaxaca. A partir daí, camponeses, indígenas e outros meios da sociedade se solidarizaram a luta, e decidiram formar a APPO (Assembléia Popular dos Povos de Oaxaca), que seria uma entidade que representaria o povo do Oaxaca para que este pudesse se autogerir, uma vez que a legislação mexicana o permite.Mas Ulises Ruiz, junto de Vicente Fox não aceitaram essa idéia, e desde então, atacam incessantemente o Estado de Oaxaca, e principalmente sua capital de mesmo nome, onde o povo é que comanda os meios de comunicação e é quem se governa nesse momento. Já foram mortos muitos inocentes nessa "guerra" desnecessária criada pelos governos mexicanos, e entre eles, o jornalista, documentarista e ativista norte-americano "Brad Will", que estava a serviço do IndyMedia ( CMI - Centro de Midia Independente ), que gravou o momento que foi morto covardemente por homens do exército mexicano.

É o povo, lutando por si próprio, enfrentando o covarde e incompetente governo mexicano, que nada quer, senão garantir seu controle autoritário sobre mais uma parcela da população mexicana.

É claro, nem todo mundo sabe desses acontecimentos... sabe porque? Porque não interessa à midia mostrar movimentos populares, atos covardes de governos despóticos e entreguistas.

Apenas convém mostrar o povo, que protesta pacificamente e busca algo que lhe é de direito, como um bando de "baderneiros, assassinos e terroristas", como sempre. Essa maldita midia parcial e suja que desinforma o povo, e o mantém, como sempre, preso ao velho esquema do "pão e circo". Enquanto houverem pessoas interessadas e compromissadas com a verdade, ela nunca morrerá. Divulgue você também esses trágicos acontecimentos.

Agora, me respondam, por favor: qual a diferença entre o México e o Brasil?

SOMOS TODOS OAXACA!
JUNTOS! FORÇA OAXACA!!!!

Saturday, November 25, 2006

O dia da consciencia negra se foi. E a consciencia, também.

Neste ultimo dia 20, segunda-feira, "comemorou-se" o dia da Consciencia Negra, ou dia de Zumbi de Palmares. Mas, aí é que eu me pergunto: onde está a tal da conscincia negra que está se comemorando?

Sinceramente, esta data, que em algumas cidades foi decretada feriado, é só uma jogadinha de marketing, coisinha boba para distrair a atenção para o problema da descriminação e da segregação racial que vivemos. E tem muitas pessoas que parecem querer que essa suposta diferença de raças se perpetue... para sempre. Como? Explico.

Eu não concordo nem com essa história de cotas, nem com essa história de "coisas para negros", sabem porque? No exemplo das cotas, para que se supõe que elas foram criadas? Para tratar de forma igual, e dar as mesmas oportunidades para os estudantes negros, certo? Mas... porque "cotas para negros"? Parece que ser negro é uma doença. Eles querem sempre manter o negro como algo a parte. Essa história de cotas não é para promover a igualdade coisa nenhuma, é só para manter a segregação racial, para garantir que o negro "seja diferente" do branco sempre. É tipo"negros aqui, brancos, aqui". Dizem que é para reparar todo um passado de exploração e maltratos (presente também, não?), mas creio que existem outras formas de se reparar tudo isso, como por exemplo, dando verdadeiras igualdades de oportunidades para todos, como bons estudos, dando as mesmas condições, não para negros e brancos, mas sim para os seres humanos, pois é isso que somos. A minha cor negra não me faz nem melhor nem pior do que ninguem, embora muitas pessoas pensem isso.

E eu vi muitos programas nesse dia, onde se discutiam a questão da consciencia, mas... é uma minoria negra no Brasil que realmente tem consciencia. A maioria está excluida, está jogada às traças, esquecida pelo governo. A maioria não tem nem idéia de quem foi Zumbi; não tem idéia de nada sobre o passado dos negros, e sabem porque? Questão cultural. Às escolas não convém mostrar a história dos heróis negros (Zumbi, Martin Luther King, Malcom X), e sim a história de safados assassinos brancos (engraçado como aprendemos mais sobre a história de presidentes norte-americanos do que sobre os proprios brasileiros), como Hitler, Mussolini, e outros tantos. É tudo uma questão de cultura; cultura essa que nunca é semeada, seja no jovem negro, seja no jovem branco, no indio, enfim, em ninguem. Desde cedo aprendemos que o negro sempre foi "inferior", sempre foi escravo, que o branco foi quem fez as benfeitorias no mundo todo, e que ao negro só sobrou o papel de carregador de bandejas de estrela de novela de olho azul.

E a segregação já é semeada desde cedo, não só na escola, mas em tudo quanto é lugar: você vai em uma loja, se é negro, é abordado e olhado de um geito diferente do habitual (não falo isso só por falar, falo por experiencia própria); até mesmo quando você tenta ajudar alguem, é olhado com medo pelas pessoas (me ofereci para ajudar duas moças a empurrarem uma moto, e elas ficaram morrendo de medo, até aparecer um amigo meu, e eelas ficarem "supostamente tranquilas"); você liga a tv, e sempre vê associado à beleza, a imagem de um branco, de olhos azuis, loiro, alto, ou uma mulher loira, de olhos verdes. O que isso tudo não gera na cabeça de jovens crianças negras? Principalmente nas meninas, que começam a se olhar no espelho e se acharem inferiores, por causa da cor, por causa do cabelo. E é aí que se vai mais um pedaço da consciencia negra, pois a midia tentando impor que beleza é igual a ser branco, faz com que muitas meninas tenham vergonha da sua cor da pele, e queiram ser "falsas brancas". E o bombardeio vem de todas as midias, seja de revistas, seja de novelas, seja de onde for. Já disse MV Bill: "pra que, porque, só tem paquita loira? Aqui não tem preta como apresentadora." E que me provem o contrario? Agora vem me falar que porque tem meia dúzia de negros que trabalham na midia aqui e ali, tá havendo igualdade. Igualdade é o cacete. E isso não é so com mulheres não, viu... tem muito marmanjo com vontade de ser um Brad Pitt aí.

E a segregação também é semeada muitas vezes pela própria familia, onde sempre tem aquele parente que vem com piadinhas racistas, com comentários cretinos do tipo "tinha que ser preto" ou coisas do genero. Uma criança, dificilmente entenderá o verdadeiro perigo daquilo tudo, mas isso vai se acumulando no cérebro dele, e vai contribuindo para que ele começe a ter vergonha da própria cor.

E também não pensem que a tal da Igreja é santa. Quem foi que disse que Jesus tinha olhos azuis e era negro? Para você ver... até aí a personificação da bondade, segundo a própria Igreja, dita a "mãe da moral", é branca e de olhos azuis, igualzinho a tv. A Igreja também contribui para semear o racismo, mesmo que por vezes de forma implicita. E é fato que, analisando a região onde supostamente teria nascido Jesus, ele não seria loiro de olhos azuis, e sim pardo. Mas... vocês acham que a Igreja aceitaria ter um Jesus negro? Não, pois para eles, é dificil saber que existem negros que não sejam bandidos, traficantes, drogados...

Sabe, realmente algumas pessoas tentam fazer ser dificil ter uma pele escura: discriminam, menosprezam, tratam como bandido, olham com medo. Mas, pelo menos eu, gosto, e muito, da cor da minha pele, que como eu disse, não me faz melhor nem pior do que ninguém.

Creio que é isso. Se querem mesmo semear a igualdade, parem com esse papo de tratar negros "como algo diferente": se é para ser igual, que tal ser tratado de forma igual? Ou eu não sei, e só porque uma pessoa é negra, ela é incapaz, ela é inferior a um branco? Creio que antes de analisarmos "negro e branco", temos que falar em "ser humano".

E outra... que consciencia é essa de se dizer "moreninho", "escurinho"? Se tem vergonha de ser negro, preto, seja branco.

Wednesday, November 15, 2006

Definição de Anarquia

Por Errico Malatesta


Anarquia é uma palavra grega que significa literalmente "sem governo", isto é, o estado de um povo sem uma autoridade constituída.

Antes que tal organização começasse a ser cogitada e desejada por toda uma classe de pensadores, ou se tornasse a meta de um movimento, que hoje é um dos fatores mais importantes do atual conflito social, a palavra "anarquia" foi usada universalmente para designar desordem e confusão. Ainda hoje, é adotada nesse sentido pelos ignorantes e pelos adversários interessados em distorcer a verdade.

Não vamos entrar em discussões filológicas, porque a questão é histórica e não filológica. A interpretação usual da palavra não exprime o verdadeiro significado etimológico, mas deriva dele. Tal interpretação se deve ao preconceito de que o governo é uma necessidade na organização da vida social.

O homem, como todos os seres vivos, se adapta às condições em que vive e transmite , através de herança cultural, seus hábitos adquiridos. Portanto, por nascer e viver na escravidão, por ser descendente de escravos, quando começou a pensar, o homem acreditava que a escravidão era uma condição essencial à vida. A liberdade parecia impossível. Assim também o trabalhador foi forçado, por séculos, a depender da boa vontade do patrão para trabalhar, isto é, para obter pão. Acostumou-se a ter sua própria vida à disposição daqueles que possuíssem a terra e o capital. Passou a acreditar que seu senhor era aquele que lhe dava pão, e perguntava ingenuamente como viveria se não tivesse um patrão.

Da mesma forma, um homem cujos membros foram atados desde o nascimento, mas que mesmo assim aprendeu a mancar, atribui a essas ataduras sua habilidade para se mover. Na verdade, elas diminuem e paralisam a energia muscular de seus membros.

Se acrescentarmos ao efeito natural do hábito a educação dada pelo seu patrão, pelo padre, pelo professor, que ensinam que o patrão e o governo são necessários; se acrescentarmos o juiz e o policial para pressionar aqueles que pensam de outra forma, e tentam difundir suas opiniões, entenderemos como o preconceito da utilidade e da necessidade do patrão e do governo são estabelecidos. Suponho que um médico apresente uma teoria completa, com mil ilustrações inventadas, para persuadir o homem com membros atados, que se libertar suas pernas não poderá caminhar, ou mesmo viver. O homem defenderia suas ataduras furiosamente e consideraria todos que tentassem tirá-las inimigo.

Portanto, se considerarmos que o governo é necessário e que sem o governo haveria desordem e confusão, é natural e lógico, que a anarquia, que significa ausência de governo, também signifique ausência de ordem.

Existem fatos paralelos na história da palavra. Em épocas e países onde se considerava o governo de um homem (monarquia) necessário, a palavra "república" (governo de muitos) era usada exatamente como "anarquia", implicando desordem e confusão. Traços deste significado ainda são encontrados na linguagem popular de quase todos os países. Quando essa opinião mudar, e o público estiver convencido de que o governo é desnecessário e extremamente prejudicial, a palavra "anarquia", justamente por significar "sem governo" será o mesmo que dizer "ordem natural, harmonia de necessidades e interesses de todos, liberdade total com solidariedade total".

Portanto, estão errados aqueles que dizem que os anarquistas escolheram mal o nome, por ser esse mal compreendido pelas massas e levar a uma falsa interpretação. O erro vem disso e não da palavra. A dificuldade que os anarquistas encontram para difundir suas idéias não depende do nome que deram a si mesmos. Depende do fato de que suas concepções se chocam com os preconceitos que as pessoas têm sobre as funções do governo, ou o "Estado" com é chamado.

Errico Malatesta in "anarquia", 1907.

Thursday, November 02, 2006

Alguem pode me responder...?

Rótulos: pra quê?


Será que alguem pode me responder, porque muitas pessoas (a grande maioria delas) tem uma necessidade gritante de rotular aos outros, principalmente àqueles que não se encaixam em padrõezinhos estúpidos, que muitos seguem cegamente? Não sei ao certo, mas isso dev dar algum tipo de prazer as pessoas que o fazem, sabe. Parece que está no manual do "bom cidadão", lá entre as primeiras regras, que ele deve ser "ALGO", que ele deve ser rotulado.

Mas outras pessoas parecem se sentir bem com os rótulos que ganham, e apenas fazem mais para valoriza-los (se é que dá para se valorizar algo assim...). Pessoas que sentem necessidade de serem iguais as outras. Acho que elas creem que isso é mais fácil, pois não precisam ter um estilo de vida própria, basta seguir aos outros, basta seguir o que está na moda.

E sabem o que mais me dá nojo? São aquelas pessoas que se dizem as "seguidoras da moral", mas que não passam de falsos moralistas de merda, que se dizem liberais, que aceitam todo tipo de opinião, mas que na verdade tentam impor sua verdade como verdade aboluta, e não conseguem/querem/sabem dialogar, discutir, argumentar, justamente por não ter argumentos. Apenas o rotulam e não o aceitam por ser diferente daquilo que lhes foi implantado na mente que é o "cidadão". O que não for isso merece, no melhor estilo Exterminador do Futuro, ser banido; ou melhor, como no nosso caso, rotulado.

Agora, não pensem que falo isso da boca para fora. Eu, infelizmente, vivo num mundo assim. Sou vitima constante dos rótulos. É questão de abrir a boca e falar um não, em meio a milhares de sim, e pronto: rótulo! Seja de louco, de inconsequente, rebelde, revoltado, irresponsável. Seja da merda que for, mas tem que ter um nome para te tratarem. Mas, é como eu tenho para mim: se sendo como sou, sou irresponsável, sou louco, espero jamais ser responsável e são.
Mas, no final das contas, agora acho que entendo porque o ser humano tem essa necessidade intrínseca de se rotular: porque o ser humano deixou de tentar ser HUMANO, e se conformou em ser PRODUTO. Basta ver como "agimos" em troca do famigerado e maldito dinheiro: nos vendemos, nos alugamos, nos prostituimos, nos matamos, nos traímos. E, em um produto, nada mais necessário do que um maldito rótulo de merda.

Saturday, October 28, 2006

Ganhe quem ganhar, perdemos nós!

Manifesto de partido algum! - 28/10/2006


Amanhã, novamente teremos de ir às urnas eletrônicas e, em tese, decidir o futuro do país. Temos uma grande responsabilidade em nossas mãos. Devemos analisar o passado dos candidatos para saber em quem votar...

Bom. Digo, mal.

Tenho para mim que, ganhe quem ganhar, o único que não ganhará, seremos eu, você, ela, ele, O cara que vende jornal, o cara que trabalha na fábrica de rolo de macarrão, a menininha que acorda as 4 da manhã para ir para a escola.

A politica se tornou um grande jogo, onde na "hierarquia de interesses" o último colocado somos nós, o povo. Antes, vem o dinheiro, o poder, o status, eles próprios, suas familias, seus amigos, uma parte da midia, algumas empresas... Podemos dizer até que a politica se tornou um telejogo (lembram? Aquele onde tinham duas "barrinhas" que ficavam rebatendo uma bolinha pra lá e pra cá...?): um grande jogo de empurra, entre direita e esquerda, onde nós somos feitos de "bolinha" levando pancada de todos os lados, sendo massacrados por pessoas vestidas de "enfermeiros da cruz vermelha", gente que se passa por beato, mas que na verdade é a própria encarnação do capeta. Dúvida? Analise o teor das atuais campanhas politicas: tudo se tornou uma grande arena de gladiadores, e como na Roma antiga, nós nos deixamos iludir por tudo isso, e somos, mais uma vez na história, vitimas da chacina ideológica chamada "politica do pão e circo". Filhos da puta!

Dúvidas, ainda? Acredita que se a politica não tivesse se tornado essa merda que é (há algum tempo, diga-se de passagem!), mesmo havendo oposição e situação (o que é necessário, pois nem todos pensam da mesma forma, óbvio), estes dois lados se uniriam para atingir o hipotético objetivo, que é dar ao povo o melhor possível? Oras... o que importa, é falar mal do outro partido, do outro candidato, do programa social dele, das viagens do outro, da cor da cueca de um, do tamanho do dedo anular de outro. Fodam-se nós!

Ganhe o filho da puta que ganhar, o governo vai ser algo parecido, não existe muita diferença dentro da politica atual. Não existe mais ideologia, não existe mais muita vontdade de mudança. E mesmo que exista, tudo isso é limado pelo poder, que corrompe, independentemente de cor, raça, credo, ideologia ou partido.

Realmente, inteligentes eram os povos muito antigos, que viviam na democracia direta, onde o próprio povo se governava, sem essa patifaria de escolher uma pessoa que, mesmo se quisesse (e não quer), jamais poderia satisfazer a todos. Esse negócio de democracia indireta, podemos dizer, é a "ditadura da burguesia".

Eu quero me governar. Você, deve se governar. Não autorizo ninguem a me governar.

Faça seu melhor, seja você, e esqueça que há alguns filhos da puta que lhe governam. Por que? Porque o povo depende demais do governo para tudo, se torna escravo por vontade própria, é só ver, quando aconteca algo, logo vem-lhes a mente àquela ideia de"recorrer ao governo" ou a de "o governo vai fazer algo" ou a de "ogoverno não fez nada". A politica está cagando e andando para você, para mim, para nós. Não somos poder, portanto, não interessamos mais. Só lhes interessamos a partir do momento em que temos de ser "domados" para lhes dar o poder. Que tal ao invés de esperar o governo fazer tudo, nos organizarmos em grupos, e fazer nós mesmos? O governo não faz, mas ele nunca quis fazer. Nós também não fazemos, e aí, como fica?Eu não sei se lutaria para que os militares saissem do governo, e que depois fossem escolhidos novos militares para nos governar. A democracia, já disse um sábio, lhe dá a chance de escolher o ditador.

Só não vou deixar de votar porque esses carniceiros me exigem o titulo de eleitor para certas coisas. Mas não será sempre assim...

E se só é cidadão quem gosta de votar, eu digo: não faço a minima questão de ser cidadão, mesmo porque o sendo, o que muda em minha vida? Serei tratado como lixo pelas "autoridades" da mesma forma.

Essa é a politica, que tanto me dá nojo, que também é conhecida como Midas: tudo o que toca, vira merda!

P.S.: O Segundo turno, ao todo, custará cerca de R$ 550 milhões, segundo o TSE.

Alexandre L. Fernandes