Saturday, February 03, 2007

E O espetáculo da humanidade vai chegando ao final... será?

Nessa sexta-feira, 02, foi divulgado um relatório da ONU com relação ao aquecimento global, efeito estufa e assuntos relacionados.

O resultado desse relatório é algo no mínimo desesperançoso para a humanidade: daqui a cem anos, o mundo como conhecemos, praticamente não existirá.

Dentre outras conclusões feitas por uma comissão com mais de 2.000 cientistas do mundo todo, foi detectado que até o ano de 2.100 a temperatura média da Terra subirá entre 2 e 4 Graus, podendo chegar até um aumento de 6 graus na temperatura média da Terra (ou seja, se você acha quente um Versão com média de temperatura a 29 Graus, assim como eu, é bom saber que daqui há alguns anos, outras gerações terão de conviver com temperaturas médias de até 35 graus - isso em um dia não muito quente!). Também foi mostrado ao mundo que até 2.050, no verão, não haverão mais geleiras no Pólo Sul, e que até 2.100, dependendo da temperatura terrestre, ele deixará de existir por completo.

E como conseqüência disso, estima-se também que os oceanos subirão 59 centímetros, o que fará com que muitas cidades, e mesmo ilhas e nações desapareçam do mapa.

Estima-se também que mais de 2 bilhões de pessoas (cerca de 1/3 da população mundial) sofrerão com a falta de água no mundo.

E também a fauna e a flora mundial sofrerão com essas mudanças no clima: com um aumento de 1 grau na temperatura dos oceanos, milhares de corais simplesmente desaparecerão, assim como outras espécies de animais marinhos; mas não é só na água que haverá a extinção de espécies, pois foi previsto que muitos animais não suportarão o aumento da temperatura.

E há, nisso tudo, uma parcela de culpa de nós, brasileiros: embora o Brasil emita uma taxa de CO2 quatro vezes menor do que os EUA e do que a China, a sua maior culpa é pela omissão com relação ao desmatamento que ocorre na floresta Amazônica. Só para se ter uma idéia do tamanho do desmatamento, cerca de 17% do total da área da Floresta Amazônica já foi desmatada de forma ilegal. E como conseqüência do aquecimento global, os estudos indicam que provavelmente a Amazônia também não resistirá ao aumento de temperatura, e se tornará uma área de cerrado, como é o estado de Goiás hoje em dia.

Aumentarão as tempestades, os tornados aumentarão a intensidade, ocorrerão tufões e furacões com mais freqüência no Brasil, as secas se prolongarão por mais tempo...

A lista de problemas que a humanidade terá de enfrentar não para por aí.

Pode parecer algo pessimista, mas é apenas a realidade: se algo não for feito imediatamente, a raça humana esta fadada a desaparecer da Terra. Mesmo que algo comece a ser feito hoje, como por exemplo uma paralisação da emissão de gases que aumentam o efeito estufa, os efeitos de todo o aquecimento Global ainda perdurarão por milhares de anos.

Após tanto destruir outras formas de vida, o ser humano se vê diante de uma situação que ele mesmo causou, e que parece não haverem muitas saídas: será que toda a nossa tecnologia, que nos ajudou e muito a chegar onde estamos, conseguirá nos livrar desse fim? Será que toda a tecnologia, que muitos fizeram questão de substituir erroneamente pela vida e pela natureza, conseguirá fazer com que não as percamos definitivamente? Será que a revolução industrial, que transformou o homem em uma máquina sentimental, conseguirá fazer do homem uma máquina biológica, para sobreviver ao novo mundo que nós deixaremos para as futuras gerações??

Agora... adianta se arrepender de algo? Será que agora vão ver que a vida não pode ser feita em linhas de montagem?

Sobre o Clima...

Ultimamente, temos ouvido, visto e sentido muitas coisas sobre o clima...

Por isso, postarei hoje dois textos meus com relação a isso.

O primeiro, foi escrito por mim na primeira semana de janeiro. E o Outro, hoje.

Obrigado.


______________________________________________________________


A loucura climática: não há mais volta

Ultimamente temos acompanhado a loucura climática que já vitimou, apenas na região sudeste do Brasil, mais de 40 pessoas desde o inicio do ano. Mas... seria mesmo o tempo quem enlouqueceu?

Entra ano e sai ano, e em todo novo verão que chega, chegam também as famosas "chuvas de verão". Mas, durante a época em que não existem tantas chuvas, porque é que não são tomadas ações efetivas contra, por exemplo, a construção de casas em locais irregulares? Nós vemos casas que desmoronam por serem construídas em encostas onde seria impossível de se imaginar uma pessoa vivendo. Mas então, a culpa vem de outras pessoas, que são quem deveriam fornecer moradias decentes para a população, mas que não o fazem, pois se ocupam muito em discutir o próprio aumento salarial de 91%. Vejamos o exemplo de Cuba, onde todos os cidadão tem uma casa para morar: casa esta que custa, em média, 7.000 pesos cubanos, o que em Reais, seriam aproximadamente R$700,00, que além de tudo, são financiados pelo governo.
Depois, ainda temos a questão do desmatamento desenfreado que contribui, e muito, para desmoronamentos de encostas e afins. O que é feito no Brasil para combater o desmatamento?
Acho que o tamanho das taxas sobre o material legal (no caso, madeira) não é algo animador, o que acaba levando pessoas a conseguirem madeira de uma forma, digamos, "mais barata".
Que tal multas pesadas para quem derrubar arvores, sejam em perímetros urbanos, ou em rurais? Que tal botar esse pessoal por um bom tempo na cadeia? Que tal incentivos fiscais, como redução de taxas, para a produção de madeira legalizada, com um posterior reflorestamento?

Mas, quando falo em reflorestamento, não falo em "Desertos Verdes" (monocultura de eucalipto, que é mais prejudicial do que benéfica, visto que UMA arvore de eucalipto consome por ano mais de 3 mil litros de água, e dificulta/impede o crescimento de outras espécies; ou seja, monocultura não é reflorestamento, pois floresta é sinônimo de biodiversidade!) como fazem a ARACRUZ CELULOSE e suas amiguinhas da celulose.

E para ajudar, ainda temos o "El Niño", que é, simplificando, é um fenômeno climático que causa o aumento das temperaturas do Oceano Pacifico que causa, além da diminuição da produtividade dos peixes, alterações no clima: chuvas excessivas na América do Sul, calor acima da média no inverno dos estados do interior dos EUA, e secas na Indonésia e Austrália. O "El Niño" recebeu esse nome por se iniciar no final do ano, o que é uma referencia ao menino Jesus: por isso do nome, que em espanhol significa "o menino".

O "EL Niño" é agravado pelo aquecimento global, que é causado pelo aumento no buraco da camada de ozônio que faz com que a Terra receba e retenha mais calor, ao invés de devolve-lo. Ou seja, a camada de Ozônio seria o protetor solar da Terra. Mas o aumento excessivo na emissão de CO2 (Gás Carbônico) provenientes de fábricas, automóveis à base de combustíveis fósseis (gasolina) e gases CFC (Cloro Flúor Carbono), que são encontrados em spray's e em geladeiras, por exemplo. Vale lembrar que nós, seres humanos, produzimos CO2. Mas vale lembrar também que o CO2 é absorvido pelas plantas, ou seja, o CO2 produzido pela humanidade não é o motivo do aumento do buraco na camada de Ozônio (que hoje encontra-se sobre a Antártida).

E ainda para contribuir com tudo isso, o país do carniceiro George W. Bush, os EUA, fizeram questão de não assinar ao Tratado de Kyoto, que é uma das poucas ações efetivas nessa área. O Tratado de Kyoto era um documento, um tratado, que visava a diminuição da emissão de gases poluentes para um prazo de 10 anos. Mas a terra do Tio Sam fez questão de não assinar. E a China também. Ambos alegaram que isso iria diminuir a produção deles, causando fortes impactos econômicos nos mesmos. Não que eles sejam os únicos culpados, mas os EUA emitem um terço de toda a poluição do mundo. E a China é um dos maiores poluentes do mundo.

Enfim: e nós, que não temos muito a ver com isso tudo é que pagamos o pato, com tornados (em 2005 houve um TORNADO aqui em Indaiatuba! E eu vi! É o fim dos tempos...), com chuvas torrenciais, com secas, com furacões (os próprios EUA viram o que a sua negligencia é capaz: o Katrina os disse bem de pertinho). Estamos acompanhando tudo isso de perto (para quem mora nas regiões onde chove sem parar desde o ano passado, como eu), completamente pasmos e sem reação.

Mas... sabem o que é o mais triste de tudo isso? É saber que por mais que nós nos esforcemos, e consigamos elimina toda a produção de gases poluentes do mundo, nossa situação nunca melhorará: no máximo, continuaremos na mesma situação caótica que já estamos. Porém, para quem pensa que "então de que vale a pena lutar?" vale a pena ressaltar que caso tudo continue como está, daqui a 100 anos, mais de um terço da população mundial terá problemas com o abastecimento de água; a temperatura média aumentará mais de 2º Celsius, o que ocasionaria o derretimento das geleiras, aumentando o nível do mar no mundo todo em pelo menos 7 metros de altura, eliminando do mapa várias cidades (e países!). Devemos fazer nossa parte, e alertar as autoridades do caos para o qual estamos indo.

É como disseram: Quando a natureza acabar, aí o ser humano vai entender que não se come dinheiro!

Para mais informações, assistam o documentário produzido pelo "Greenpeace" chamado: Mudanças no Clima, mudanças de vida. O DVD está a venda no site abaixo, e também pode ser visto no Youtube.

Acessem: http://www.greenpeace.org.br/clima